A ilha de Santa Catarina, mais conhecida como Florianópolis, é mesmo incrível. Belas paisagens, praias, lagoas, e um povo acolhedor são algumas de suas características, mas a lista de maravilhas não para por aí. Apesar de ser a capital do estado de Santa Catarina, sede do governo e de muitas empresas, a ilha mantém um ritmo tranquilo e rural em boa parte de seu território, que não é pequeno. São cerca de 54 km de comprimento (norte–sul) por 18 km de largura (leste–oeste), ao norte, totalizando uma área de 424 km².

Nossa ideia em Floripa era velejar de Kite na lagoa da Conceição ou em praias como o Campeche e o Costão do Santinho, mas… O vento não deu o ar da graça e as ondas não compareceram em tamanho e quantidade. Nem por isso ficamos sem ter o que fazer, afinal, o que não falta na “Ilha da Magia” são opções. Que tal descobrir uma praia diferente com alguma condição de surf?!

No Pântano do Sul existem praias sem acesso por automóveis, como Naufragados, no extremo sul da ilha, e a Lagoinha do Leste, considerada umas das praias mais bonitas do Brasil e acessível apenas por trilhas ou barco. As duas costumam ter boas ondas, com destaque para a Lagoinha do Leste, exposta tanto a ondulações de leste, quanto de sul. Para chegar lá, fomos até a praia do Pântano do Sul, de onde sai uma trilha com cerca de 4 km até a Lagoinha, mais ou menos uma hora de caminhada. Curta, mas dura! Existe também a opção de uma trilha que sai da praia do Matadeiro, mas a caminhada é mais longa (8 km e três horas a pé!).

 

Lagoinha do Leste Tiago brant Floripa

Lagoinha do Leste

 

O início da trilha é uma subida íngreme por um caminho bastante fechado. Sorte que tempo estava seco e não precisamos nos preocupar com as várias corredeiras que cruzamos pelo caminho e que poderiam ser bem complicadas se estivessem cheias d’água. Depois de uns vinte minutos nessa toada, já próximos do alto do morro, a trilha começa a abrir espaço para o sol e a paisagem. Dali dá pra ver a praia do Pântano do Sul, seus criadouros de ostras e barcos de pesca, já que o lugar é a maior e mais tradicional praia de pesca de Santa Catarina, com fartas colônias de pescadores. A trilha continua, agora descendo em direção à Lagoinha do Leste. No meio da descida já é possível ver a lagoinha, cercada de mata virgem por todos os lados. Um pouco mais a frente já é possível ouvir o barulho do mar. Daí até pisar na areia seriam mais dez minutos de uma descida suave.

Ao chegar na areia, uma grata surpresa. Haviam ondas pequenas, mas surfáveis! Ainda assim, nada de mais… O que estava demais era o visual, um dia lindo e perfeito para conhecer uma praia nova. Depois de fazer o Check-In no SPOT Gen3 e mandar a mensagem de que havíamos chegado bem à Lagoinha do Leste, partimos para uma rápida sessão de surfe e, em seguida, fomos explorar a praia. A lagoinha é perfeita para um banho depois do surfe. Suas águas são rasas e quentes nos dias de verão, propiciando um momento de relax antes de encarar a subida do Morro das Coroas. O topo fica a 230 metros acima do nível do mar e a trilha até lá é uma subida bem íngreme, com direito a vários trechos de “Escalaminhada” até o cume, repleto de formações rochosas que lembram as tais “Coroas” que dão nome ao local.

 

Lagoinha do Leste Floripa

Lagoinha do Leste Floripa

 

Sem palavras para descrever a sensação de prazer e liberdade, ao ver a lagoinha e praia lá de cima. Um visual indescritível de presente pela caminhada de meia hora morro acima. Nisso já eram três da tarde e a fome começava a pegar… A boa notícia é que conseguimos uma vaga num dos barcos que fazem a travessia do Pântano do Sul para a Lagoinha e, assim, economizamos a caminhada da volta, mas deixamos R$ 25 por pessoa para fazermos o trajeto numa pequena traineira, passando pelas paisagens e cavernas do costão em cerca 20 minutos.

Com o pé na areia novamente, decidimos seguir até outra freguesia famosa por sua gastronomia e fomos até o distrito vizinho do Ribeirão da Ilha conhecer o restaurante “Umas & Ostras”, que existe a cerca de seis anos e é comandado pelo Chef Igor Faria, que nos apresentou um prato incrível, o Linguado à Maricota, empanado com farinha de amêndoas e acompanhado por salada, arroz e batatas. Perfeito para finalizar o dia!

 

Umas e Ostras Floripa

Restaurante umas e ostras

 

 

Assista ao vídeo dessa visita a Lagoinha do Leste:

 

 

Compartilhar no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *