Sobre Aclimatação | Ziller na Bolívia

Sobre Aclimatação | Ziller na Bolívia

Publicado em 22 de setembro de 2016 por Gustavo Ziller | 2 Comentários

Texto escrito diretamente de La Paz, Bolívia, para a SPOT Brasil.

 

A montanha me ensina demais sobre o tempo, sobre a minha relação com o outro e sobre o meu corpo. E uma das coisas que eu aprendi – e que é sempre reforçada pelo guia que me acompanha no #7CUMES, o Maximo Kausch – é cuidar muito bem da aclimatação.

 

No livro “Aconcágua”, comentei algo mais ou menos assim: “se você não sentir a altitude nos primeiros dias, pode ter a falsa sensação de que seu corpo dominou a montanha. Isso é perigoso, porque pode imprimir um ritmo de caminhada que certamente causará danos mais pra frente, como fortes dores de cabeça”. E é assim mesmo. A cada passo, nosso desempenho vai diminuindo, mesmo a partir de altitudes não tão altas, como a de 1.500 metros.

 

Ziller no percurso do Aconcágua, em fevereiro de 2015 | Foto: Gabriel Tarso

Ziller no percurso do Aconcágua, em fevereiro de 2015 | Foto: Gabriel Tarso

Corta para a Bolívia

 

Eu e meu treinador Yan Ouriques, da Rokaz Escalada, guiados por Angel Armesto, do Gente de Montanha, estamos fazendo um treinamento importante em terras bolivianas, para o projeto #7CUMES. Vamos escalar três montanhas por aqui para o corpo e a mente se adaptarem melhor a altitudes mais elevadas, como a que vamos encontrar no Everest (conto melhor essa história neste link: gziller.com/expedicao-bolivia).

 

Pois bem. Uma vez na Bolívia, senti forte essa questão da aclimatação, logo na chegada. O roteiro foi o seguinte: peguei um avião em Belo Horizonte, que está localizada a 900 metros acima do nível do mar e, seis horas depois, pousei no aeroporto de La Paz, a 4.200 metros de altitude.

 

Pra explicar melhor a situação, vale fazer uma analogia. Voar de BH até a capital boliviana é quase a mesma coisa que sair de Minas Gerais e ir direto, sem pit stop, para Plaza de Mulas, onde fica o Campo Base do Aconcágua (Argentina), a 4.369 metros de altitude. Pensa comigo: para chegar até lá, foram necessários seis dias de aclimatação, passando por diversos treinos e experiências, até o corpo se adaptar. De BH a Bolívia, levamos apenas 6 horas, dentro de um avião. A chegada lá foi um susto. Mesmo.

 

Uma outra comparação interessante é com o que rolou no Elbrus (Rússia), onde cheguei a 3.600 metros (no Acampamento Base da Montanha) só lá pelo quarto dia, depois de um processo intenso de aclimatação em uma estalagem no pé da montanha.

 

elbrus russia ziller

Equipe 7CUMES na ascenção do Elbrus | Foto: Gabriel Tarso

 

Voltando para La Paz

Preciso dizer que a chegada lá é realmente uma experiência muito esquisita. Pra você ter uma noção da localização do aeroporto, acima dele só mesmo os cumes das montanhas. As cidades ficam todas para baixo. Para chegar à capital boliviana, então, descemos para 3.600 metros, onde passamos a primeira noite. Confesso que, para mim, foi uma noite bastante difícil. Não só pelo forte impacto da diferença de altitude, como também pelo cansaço de uma noite anterior mal dormida e pela quantidade de trabalho que acumulei durante a semana.

La paz bolivia america do sul ziller

Nas ruas La Paz, Bolívia

Pra fazer mais uma analogia, comparo essa noite à que eu tive em Nido de Condores, onde está o segundo acampamento avançado do Aconcágua, a 5.552 metros. Aquela foi uma noite miserável, com taquicardia e apneia. A diferença é que, em Nido, dormi em uma barraca, cheio de roupa, dentro do saco de dormir, com vento a 70 km por hora e um desconforto extremo. Aqui, dormi em uma cama confortável, cheia de cobertores e dentro de um quarto, protegido do vento e do frio. Ainda assim, foi uma noite muito ruim.

 

Só pra explicar melhor, não tive dores de cabeça ou alguma condição específica de uma aclimatação que te carrega para o mal da montanha, o que rolou comigo foi um mal-estar geral, com um pouco de náusea e algumas idas ao banheiro. Se você não tiver cuidado, malandro, esse “mal-estar geral” te derruba facilmente. E, nesse caso, aquietar a mente é preciso.

 

bolívia ziller

Com toda essa experiência, avancei mais um grau no meu processo de aprendizagem sobre aclimatação. Lição de nível superior. E o que posso dizer é o seguinte: em uma situação como essa, com a qual me deparei nos primeiros dias em La Paz, é necessário poupar energia a qualquer custo, até para abrir um saquinho de bala.

 

Para segurar essa onda, também é essencial beber muita água. Muita água mesmo. Aclimatação e hidratação se complementam nesse processo. E, pra finalizar, outro ponto bastante importante – que foi que o mais segurou a minha onda – é focar no pensamento positivo. Saber deixar fluir também ajuda. Assim, tudo melhora.

 

#Avante!


Muito interessante isso! Eu fiquei 3 dias no Atacama e mais 4 dias na Bolívia para só depois encarar o Vulcão Lascar(5600m) no Atacama/Chile. Fui subindo gradativamente nos passeios e deixei o vulcão para o meu último dia.
Achei incrível como a altitude pode acabar com o ser humano tão facilmente se ele não estiver preparado… Nós brasileiros não fazemos ideia do que é viver na altitude rsrs

Kkkkkkkkkk economizar energia ⚡ até pra abrir um saco de balinha… Kkkkkkk ADOOOROOO a sua escrita.. Rss

DEIXE UM COMENTÁRIO

A Mantiqueira pede ajuda

Adventure Sports Fair | Dia 1