No Coração dos Andes

No Coração dos Andes

Publicado em 9 de dezembro de 2016 por Roberto Vámos

Por Roberto Vámos


Imensidão.  Se fosse resumir o que são os Andes em uma palavra, usaria esta: imensidão.  Nos Andes você pode rodar centenas de quilômetros sem cruzar com ninguém.  Muitas vezes encaramos regiões onde nem trilha havia – o negócio era seguir o rastro de carros que tinham passado há dias.  É muito vento, frio e altitude acima dos 4 mil metros onde há pouco oxigênio.  Às vezes me sentia um personagem de uma história de ficção científica, teletransportado para um outro planeta.  Nos Andes o mundo é vasto, e o homem, muito pequeno.  Aqui a natureza nos coloca no nosso lugar.  Somos insignificantes perante essa imensidão.

 

Eu sou fotógrafo, e desde os 17 anos, quando fiz um curso de montanhismo nos Andes Chilenos, sou um apaixonado pelos Andes.  Já visitei diversas regiões da cordilheira, inclusive subindo vários picos com quase seis mil metros de altitude.  Mas nunca explorei a cordilheira inteira, de forma sistemática.  Entre janeiro e março de 2016 eu e Margarida Duarte, minha produtora, parceira e co-aventureira, demos o primeiro passo em um projeto de fotografar toda a extensão da cordilheira dos Andes, da Venezuela à Terra do Fogo.  Apesar de ser a maior cadeia de montanhas do mundo, os Andes permanecem pouco documentados. Gosto de trabalhar em projetos longos, que requerem a paciência das rochas, das montanhas.  Me espelho em fotógrafos como Sebastião Salgado, cujas reportagens demandam anos de trabalho, ou Ansel Adams, que devotou uma vida inteira a retratar as paisagens do oeste americano, principalmente da Califórnia.

 

Nesta primeira etapa percorremos o norte da Argentina, norte do Chile e sudoeste da Bolívia.  É uma região desértica, onde predomina o vento e a extrema aridez, e onde as paisagens são diferentes de tudo que eu já tinha conhecido. O que mais me surpreendeu foram as cores.  Normalmente as cores de uma região vem da sua vegetação – pedra tem cor de pedra.  Mas não aqui.  Aqui, além de quase não existir vegetação, Pachamama, a Mãe-Terra, usou toda a sua paleta de cores nas próprias rochas.  O resultado é que você parece estar dentro de uma pintura impressionista.  Objetivamente, sei que as cores são dos inúmeros minerais que a ação tectônica aqui jogou e que o tempo expôs, mas quem, ao contemplar um arco-íris petrificado, consegue lembrar de um detalhe como esse?

 

Serão ao todo quatro anos de trabalho e múltiplas viagens à Cordilheira. Em cada expedição percorreremos milhares de quilômetros de estradas de terra e trilhas em regiões pouco habitadas e de difícil acesso.  Estaremos sozinhos e a segurança é fundamental.  Por isso decidimos usar os aparelhos e serviços da Spot, pois com eles poderemos pedir auxílio em caso de uma emergência mesmo que estejamos no meio de um deserto a quatro mil metros de altitude e a centenas de quilômetros da aldeia mais próxima.

 

roberto vámos andes vulcão fotografia

Vulcão Llullaillaco – Entre Argentina e Chile, com 6.739 m.

 

Sobre os Andes:

 

O nome “Andes” vem da palavra Quéchua (a língua dos Incas) antis, que significa “crista elevada”, mas não lhe faz justiça.  A cordilheira dos Andes é a maior cadeia de montanhas do mundo, com mais de sete mil quilômetros de extensão, atravessando sete países: Venezuela, Colômbia, Ecuador, Perú, Bolívia, Chile e Argentina.  E esta enorme extensão abriga algumas das paisagens mais dramáticas e belas do mundo.  São centenas de montanhas e vulcões com mais de cinco mil metros de altitude, incluíndo a montanha mais alta do mundo fora da cordilheira dos Himalaias: o Monte Aconcágua.

 

Devido à sua orientação norte-sul, e por se estender dos trópicos até quase a região polar, a cordilheira é uma formidável barreira aos ventos e à umidade, criando uma enorme quantidade de microclimas onde a vida prospera e se diferencia. De suas neves, nasce o maior rio do mundo, o Amazonas.  Em suas encostas encontram-se as florestas com maior biodiversidade do planeta. Dos Andes vem alguns dos alimentos mais importantes do mundo moderno, como a batata e o tomate, bem como grãos menos conhecidos, como a quinoa, considerada um dos alimentos mais saudáveis do mundo.

 

Seus planaltos e vales são habitados há milhares de anos e deram origem à várias civilizações com uma organização e feitos de engenharia altamente sofisticados, como os Incas e o povo de Tiahuanaco. As técnicas de cultivo usadas pelos Incas e outros povos do altiplano andino não só preservavam o solo da erosão, como aumentavam a sua fertilidade e profundidade, permitindo que essa região de clima extremo e solos pedregosos se tornasse auto-sustentável por milênios e se transformando em um exemplo único de sustentabilidade.

 

Dezenas de etnias ainda habitam a cordilheira, tentando preservar suas culturas e sabedorias tradicionais perante o avanço homogeneizador do mundo moderno.  Porém, desde a colonização espanhola essa região testemunhou uma grande quantidade de perdas e sofrimento e também ao surgimento de uma cultura mestiça que ainda procura encontrar seu lugar entre suas crenças antigas e realidades modernas.

 

Os ecossistemas andinos também estão sob perigo.   O desmatamento nas encostas tropicais ameaça a biodiversidade e os rios da região.  Com o aquecimento global, as geleiras dos Andes estão desaparecendo rapidamente, ameaçando o suprimento de água de cidades inteiras como Cusco, La Paz e Lima e suscitando a pergunta: Será que os primeiros refugiados climáticos da América do Sul virão das nações andinas?


DEIXE UM COMENTÁRIO

Livre, de bicicleta, pelo mundo

Desafio XTerra em Maui – Hawai