O espírito do cicloturismo

O espírito do cicloturismo

Publicado em 19 de Janeiro de 2017 por Israel Coifman

Viajar de bicicleta é entregar-se ao imponderável, porém estar feliz por não saber o que vai acontecer. É começar um dia sem ter ideia de como ele terminará. Está aí muito da graça de explorar lugares de bicicleta: permitir-se e aceitar as coisas simplesmente como elas são. Podemos planejar, pesquisar, checar a previsão do tempo e tudo mais que estiver ao nosso alcance, mas não adianta: não há descida, sem subida. Não há risadas, sem antes passar por perrengues.

No sul do Brasil

Deixei Blumenau com destino ao Chuí descendo a belíssima costa de Santa Catarina. Foram dias de tempo bom, vento a favor e gente hospitaleira. Passei por Balneário Camboriú e em Florianópolis, ganhei de presente o contato do Sander (anotem esse nome): um cicloviajante de Araranguá – cidade ao sul do estado.

Ao sair de Laguna – SC, fiz contato mas, infelizmente, ele não poderia me receber em sua casa. Por sua indicação, contatei a Jaque e o Gérson, que prontamente disseram que eu poderia ficar uma noite por lá. Fui recebido como um filho, depois de um pedal de 97km, com uma cama arrumada e um café da tarde me esperando. O casal não pedala, mas é apaixonado por receber viajantes e já hospedaram pessoas de várias partes do mundo – não tenho dúvidas que sempre com um sorriso no rosto e um abraço apertado. Conversamos muito e logo já me senti em casa. Jaque e Gérson me levaram para conhecer o Farol do Convento de Araranguá, um lugar lindo e pacato. Depois fomos comer algo. Tive uma maravilhosa noite de sono e me despedi pela manhã com um abraço de talvez até nunca mais, mas com o sentimento de que fosse até daqui a pouco.

O próximo destino era Passo de Torres, divisa de Santa Catarina com o Rio Grande de Sul. Por mais uma noite eu não precisaria montar acampamento pois o Sander – sempre ele – também me recomendou uma outra casa: a do Souza.

O Souza é um cara boa gente, mecânico e dono de uma modesta bicicletaria na cidade. Também é competidor de ciclismo e coleciona medalhas, troféus e recortes de jornais em sua oficina. Cheguei e conversamos sobre bicicleta, viagens e sobre a vida. Já na sua casa, fui apresentado aos cachorros, à esposa e ao chuveiro. Cozinhamos, tomamos cerveja, conversamos mais e, novamente, eu entrava na vida de uma família e deixava ela entrar na minha. Na manhã seguinte, Souza pedalou comigo até a entrada da Estrada do Mar de onde segui rumo a Osório-RS.

 

israel coifman cicloexpedições

Entardecer na Praia da Capilha – RS

 

Fronteiras

Em direção ao extremo sul do Brasil, passei por Bacopari, Mostardas, Bojuru, Capilha, Santa Vitória do Palmar e enfim cheguei ao Chuí, divisa com o Uruguai. Após pedalar por mais de 200km no primeiro solo internacional, recebi uma mensagem do – adivinhem – Sander, exatamente no dia que eu precisaria dela. Ele me deu uma dica importante: um atalho para economizar 30km de viagem em um trecho da costa do Uruguai. A instrução era a seguinte:

“Entre La Paloma e José Ignacio existe um caminho pela Laguna de Rocha. No trevo de acesso a La Paloma, pegue a Ruta 10 (estrada de terra) até um vilarejo de pescadores (10km depois), lá pergunte pelo Sr. Pepe. Ele faz a travessia de barco pela Laguna de Rocha. Assim você evita uma volta enorme que passa pela cidade de Rocha (Rota 9)”

Antes, eu e o Rogério (amigo de São Paulo que viajou com sua família e com outra amiga, a Cáren, para pedalarem comigo no Uruguai) já tínhamos pegado essa dica na internet, mas nada sobre o Sr. Pepe (guardem esse nome também!). Seguimos então pela Ruta 10 e ali encontramos um casal de mineiros que já havíamos conhecido antes pelo caminho. Eles, perdidos, deram graças a Deus por indicarmos uma direção e pedalamos juntos até a Laguna de Rocha.

 

Não há risada sem perrengue

Ao nos aproximarmos da lagoa, começamos a sentir picadas de mosquitos. O que chamou a atenção é que eles picavam sobre as nossas roupas – sim, calça e camiseta de manga comprida! Saímos de um trecho de estrada de terra e logo saí perguntando pelo Sr. Pepe, enquanto a quantidade de mosquitos só aumentava. Eu não sei o que aconteceu, mas talvez tenhamos invocado todo os mosquitos do Uruguai de uma vez só, e eles apareceram numa nuvem de pernilongos. Cheguei a engolir alguns deles e precisei cuspir várias vezes até entender que não dava para abrir a boca.

“Por favor, donde és la casa de Señor Pepe?”

Claro que era a última da vila.

Em dado momento, bateu um desespero pois se tratava de um exame em fúria e, além das picadas, mal dava para enxergar.

Larguei a bicicleta e saí correndo em direção a casa do Sr. Pepe. Ele já estava nos esperando com sua canoa e, como num passe de mágica, os mosquitos foram embora. Teria sido a presença do Pepe? Não dá pra saber. Ele, por sua vez, um tipo de pessoa simples, leve e sorridente, proferiu a seguinte frase, com sua energia boa:

“Para ser honesto es necesario ser grande y para ser grande necesitamos ser pequeños”

israel coifman bike uruguai

O carismático Sr. Pepe

A frase que dispensa traduções me encheu de alegria. A travessia até o outro lado do lago foi fantástica, com direito a flamingos e outras aves, além de uma vista com muito verde e céu azul.

 

viagem bicicleta américa do sul

Flamingo na Laguna de Rocha, Uruguai

 

Nos despedimos do Sr. Pepe com a sensação de que as picadas e o susto do ataque dos mosquitos valeram a pena. De lá, seguimos rumo a La Barra, com direito a mergulho no mar e uma Coca-Cola estupidamente gelada no Almacén do Gordo Matías.

 

spot brasil cicloturismo

Travessia da Laguna de Rocha

 

Ao começar uma viagem longa de bicicleta, sem se dar conta, você adere a um clã invisível de cicloajudantes. Uma mágica acontece e tudo simplesmente dá certo. O Sander é uma pessoa que eu não conheço pessoalmente, mas que só está me colocando na boa. E não é só ele! Teve a Maria Clara, o Ari e a Aline, o Diego e a Camila, o Paulo e outros que só provam que há mais gente boa no mundo do que nós imaginamos. Pessoas que, sem me conhecer, me receberam e estão fazendo toda a diferença nesta grande aventura!

 

Outras fotos:

 

Serviço:

Travessia de barco da Laguna de Rocha: 200 pesos (+- R$25)
Contato do Sr Pepe: 098801942
Contato do Sander: https://www.warmshowers.org/user/60167


DEIXE UM COMENTÁRIO

Investigar a consciência ambiental em 121 países, numa grande viagem de moto

Meteora | um paraíso da escalada na Grécia