Uma noite mágica na Cratera de Maraguá

de maraguá, civilizaçao inca, rotas, trilhas, america do sul, cordilheira dos andes, machu picchu

Uma das marcas deixadas pela Civilização Inca foi a construção de um extenso sistema de rotas, trilhas e estradas na América do Sul. Decidi percorrer estes caminhos de moto, talvez uma das formas mais emocionantes de viajar pela história dos Incas. Sentir no próprio rosto o vento gelado que um dia tocou a face de cada um deles, atravessar desertos, desafiar a altitude da Cordilheira dos Andes, visitar múmias e caminhar pelas ruínas de Machu Picchu.

de maraguá, expedição rutas incas, rastreador, viagem, bolívia, aventura

A Expedição Rutas Incas teve início em agosto de 2016. Viajei por 6 países (Bolívia, Peru, Chile, Argentina, Paraguai e Brasil), durante quarenta dias, num percurso de 13.200 Km. Não tenham dúvidas de que o rastreador SPOT Gen3 foi um fiel companheiro! Logo nos primeiros dias da aventura encontrei um casal de brasileiros (Alexandre e Priscila) que também viajava de moto. Decidimos fazer o trecho da Bolívia juntos e bastaram poucos quilômetros para termos aquela sensação de que éramos amigos há anos!

de maraguá, cordilheira de los frailes, trekking, trilha inca, cultura jalq’a

No dia 04 de agosto de 2016, passamos por Aiquile, Sucre, Chataquila, até alcançarmos o topo da Cordilheira de los Frailes (3.700 m de altitude). O casal catarinense seguiu na frente e eu fiz questão de parar alguns instantes para contemplar a paisagem. No alto da cordilheira uma placa indicava o início da famosa Trilha Inca, ideal para mochileiros e praticantes de trekking. Iniciamos a descida por uma estrada de terra sinuosa que nos levou ao centro da Cratera de Maraguá, onde existe um vilarejo habitado pelos indígenas da cultura Jalq’a.

A região é famosa por ser uma formação geológica em forma de uma concha marinha gigante, pelos rastros e pegadas de dinossauros e pela produção artesanal dos tecidos clássicos de Jalq’a, estampados com figuras de demônios e animais extravagantes, com predominância das cores vermelha e preta. As crianças do vilarejo fizeram questão de recepcionar os “vilarejos” que acabavam de chegar em motos empoeiradas. Aproveitei a oportunidade para distribuir as bexigas que trazia em minha bagagem. É inexplicável que um presente tão simples desperte tamanha alegria. O sorriso de cada criança era o prenúncio do que vinha pela frente!

Rodamos de moto pelas redondezas, curtimos o pôr do sol e logo que anoiteceu recebemos um convite inusitado. Crispin Ventura, um nativo de Maraguá, foi até nosso alojamento e nos convidou para um sarau que aconteceria em sua moradia.

de maraguá, museo apus, fogueira, nativos, indígenas

É claro que aceitamos o convite! Encaramos o frio e a escuridão da noite até encontrarmos o Museo Apus”, onde mora Crispin. Fomos recebidos de forma calorosa pelos seus amigos e familiares. Posso afirmar que foi um dos lugares mais exóticos onde já estive. Apenas uma fogueira iluminava o quintal da pequena casa de adobe. Nosso teto era o céu estrelado. O clima era de alegria.

Além de nos contarem como cultuam sua história e suas raízes indígenas, nossos anfitriões nos ofereceram uma bebida local (era forte, pelo que me lembro) e a oportunidade de interagir na celebração. Misturados aos nativos de Maraguá, dançamos em círculo, cantamos e “tentamos” tocar seus instrumentos musicais andinos. Uma festa surreal! O som da quena, do charando, da zampoña e de nossas risadas jamais serão esquecidos! Foi uma noite mágica!

 

Compartilhar no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *